Neste conto vou relatar o que aconteceu no final de semana do aniversário de 15 anos da minha filha Júlia e na noite após o baile de debutante dela.

Era Sábado de sol e calor e Júlia estava na casa da madrinha para se arrumar para a festa, durante a manhã passei cuidando dos últimos detalhes para que nada desse errado. Depois do almoço decidi descansar um pouco para no início da noite me arrumar pra festa, quando estava indo deitar escutei minha comadre chegando de carro e me chamando enquanto já entrava em casa. Nos encontramos na sala e ela disse que tinha vindo buscar o biquíni que Lorena havia esquecido no final de semana anterior. Mal podia saber que aquilo era só uma desculpa para ter ido me ver.

Enquanto conversávamos Luzia subiu e foi até o quarto da minha filha dizendo que ia procurar o biquíni lá. Quando entramos no quarto Luzia foi procurar no banheiro e enquanto eu procurava no guarda roupas, então ela disse que precisava fazer xixi e sem pudor ergueu seu vestido bem colado ao corpo de cor branca estampado com algumas flores. Nesse momento olhei para ela enquanto se sentava no sanitário e percebi que estava sem calcinha, rapidamente disfarcei procurando o biquíni numa outra parte do guarda roupas, enquanto ouvia o barulho de Luzia fazendo xixi e que estava me deixando excitado.

Enquanto ela se limpava usando uma duchinha disse que queria saber como estava sendo a vida de viúvo e eu instantaneamente disse que complicado cheia de altos e baixos, muitas coisas aconteceram e mudaram. Antes que terminasse a resposta, ela saindo do banheiro me surpreendeu perguntou como tinha sido transar com a filha dela. Naquele momento fiquei paralisado e logo fui pedindo desculpas e dizendo que podia explicar o que tinha acontecido, mas novamente antes que eu terminasse de responder Luzia me interrompeu e terminando de tirar o vestido ficando totalmente nua falou que não queria que eu explicasse, mas que mostrasse.

Percebendo que ela havia ido até em casa só para aquilo tirei rapidamente minha bermuda que era a única coisa que eu estava vestido naquele momento, enquanto Luzia deitava de pernas abertas na cama da minha filha. Luzia sempre foi uma mulher fogosa apesar de discreta, aquilo me atiçou um instinto animal e sem nenhum tipo de preliminar me debrucei em cima dela e enquanto me apoiava em uma mão com a outra segurava meu pau já buscando penetrar na buceta dela. Quando penetrei já fui metendo forte e fazendo rápidos movimentos de vai e vem enquanto olhávamos fixamente um para o outro. Meu ritmo não diminuía e Luzia falava para continuar desse jeito forte, enquanto ela apalpava os seios de tamanho médio pra grande naturais (mas que havia colocado silicone para que não ficassem caídos) e que balançavam na velocidade das minhas estocadas rápidas. Enquanto penetrava segurava suas pernas torneadas e de coxas levemente grossas, as quais apertava.

buceta dela. Quando penetrei já fui metendo forte e fazendo rápidos movimentos de vai e vem enquanto olhávamos fixamente um para o outro. Meu ritmo não diminuía e Luzia falava para continuar desse jeito forte, enquanto ela apalpava os seios de tamanho médio pra grande naturais (mas que havia colocado silicone para que não ficassem caídos) e que balançavam na velocidade das minhas estocadas rápidas. Enquanto penetrava segurava suas pernas torneadas e de coxas levemente grossas, as quais apertava.

Tirei meu pau de dentro da buceta dela e me ajoelhei de frente para ela, abri suas pernas e comecei a chupar a buceta melada dela, dava chupões sugando todo o caldinho de dentro da buceta da minha comadre que gemia gostoso. Quando me levantei para voltar a penetra-la Luzia se levantou e ficou de quatro em cima da cama rebolando a bunda, que eu alisava com as mãos. Luzia então chupou seu dedo indicador e enfiou no cu e deu algumas voltinhas e depois de tira-lo falou para eu comer o rabo dela com vontade e empinou a bunda. Dei uns três tapas seguido de cada lado da bunda dela e segurando seu quadril largo com força comecei a esfregar meu pau na buceta dela levando seu líquido lubrificante até o buraquinho do cu dela e forçava a cabeça do meu pau a entrar. Fiz isso umas cinco vezes até que enfiei bem forte meu pau no cu da minha comadre.

Fui enfiando até quase meu saco encostar na buceta dela, Luzia pedia para meter rápido e masturbando seu clitóris rebolava a bunda. Comecei a dar estocadas fortes e rápidas penetrando bem fundo no cuzinho dela, ela gemia e dizia que meu cacete era muito bom, grosso e bem duro do jeito que ela gostava. Puxei os cabelos dela e bombava rápido naquele cu arrombado, Luzia levantou o corpo ficando de joelhos e segurou em minha nuca e cintura enquanto eu num ritmo mais lento continuava metendo no cu dela. Comecei a apalpar os seios dela com uma mão e com a outra masturbava a buceta e o clitóris dela. Luzia começou a gozar e pedia para eu ejacular na cara dela, então tirei  meu pau do cu dela e ela se sentou na cama e segurando forte começou a chupar meu pinto que enchia a boca dela. Percebi que ia gozar e empurrei a cabeça dela que abriu a boca enquanto eu ejaculava uma grande porção de porra quente e grossa. Ela engolia o que caia na boca e enquanto o restante melava todo seu rosto, antes de ir ao banheiro se limpar falou que queria repetir aquilo mais vezes.

A noite chegou e finalmente a festa de debutante da minha filha tinha começado, meu empenho valeu a pena pois tudo estava ótimo e bem feito. Depois que dancei a famosa valsa com minha filha Júlia decidi voltar para casa descansar e pensar na falta que minha esposa fazia naquele momento tão importante. Antes de ir deixei combinado com o filho de um dos meus sócios (que havia ido vestido a caráter como um príncipe desses contos de fadas) para caso minha filha quisesse ir para um lugar mais íntimo para ficarem, ele poderia leva-la a um motel que havia deixado reservado. Quando cheguei em casa fui logo para meu quarto e deixando umas luminárias com a luz fraca acesa me deitei sem roupa e logo peguei no sono só acordando com minha filha me chamando para ajudar ela tirar o vestido da festa, e o colar de brilhantes que eu dei de presente.

Me levantei e minha filha ficou virada de costas pra mim jogou o cabelo para o lado esquerdo e a frente dos ombros, e enquanto eu tirava seu colar perguntei se ela tinha se divertido com o Junior filho do meu sócio, ela disse que sim enquanto estavam na festa, mas que depois saíram da festa mas ela pediu para leva-la para casa. Comecei a abrir o zíper do longo e volumoso vestido vermelho que Júlia vestia e perguntei porque ela não quis sair para ficar com ele e então ela falou que queria passar o resto da noite comigo. Quando eu terminei de abrir todo o zíper que ia até a região do cox, Júlia me surpreendeu falando que queria perder a virgindade comigo, que eu a fizesse uma mulher,minha nova mulher.

Surpreso me levantei e fiquei parado sem reação enquanto minha filha terminava de tirar o vestido, abaixando as alças e deixando ele cair ficando totalmente nua. Mesmo com a luz fraca das luminárias comecei a apreciar o corpo da minha filha que tinha uma bundinha redonda e empinada, e cintura fina. Já com meu pau ficando duro segurei na cintura de Júlia e comecei a beijar seu ombro direito e fui subindo até o pescoço dela que nesse momento suspirou e jogou a cabeça para trás. Ela então sentou na beirada da cama e eu me ajoelhei do e comecei a tirar o sapato de salto alto e tirinhas que realçava a beleza de seus pequenos pés, os quais aproveitei para beijar principalmente na região dos tornozelos que não sei o motivo mas me dá muito tesão.

Júlia então se ajeitou na cama e de pernas abertas falou para eu ser o primeiro e único homem dela, aquilo me deixou muito excitado e me deitei sobre o corpo dela de pele branquinha e macia. Sem rodeios segurei meu pau duro e coloquei na entrada da buceta dela e depois de umas passadas da cabeça na buceta dela para lubrificar comecei a enfiar com tudo. Júlia arqueava o corpo para trás mas eu continuei forçando até que comecei a sentir o sangue

viscoso que envolveu meu pênis e comecei a fazer movimentos de vai e vem enquanto dava alguns beijos na boca da minha filha e olhava seu rosto com algumas lágrimas escorrendo de seus olhos que brilhavam como se estivesse vivendo o melhor momento da vida dela.

Apoiei às duas mãos na cama e comecei a bombar mais rápido, enquanto Júlia pegava nos seios e os apertava, a respiração ofegante e alguns gemidos denunciavam que ela estava chegando ao orgasmo. Comecei a meter mais rápido e quando ouvi Júlia falar para eu fuder a minha filhinha não aguentei e acabei gozando dentro da buceta dela. Nesse momento sai de cima dela e pedi desculpas pelo que tinha feito, que eu só pensei em mim e não nela. Ela então me beijou na boca e deitou sobre meu peito e disse que era só a primeira de muitas outras que ainda faríamos,e enquanto acariciava seus cabelos acabamos dormindo.

No meio da madrugada acordei e procurei por Júlia mas percebi que ela não estava deitada então me levantei ainda para ir ao banheiro e vi minha filha sentada no vaso sanitário. Disse que precisava fazer xixi e ela disse para eu fazer, então falei para ela se levantar mas ela disse novamente para eu fazer xixi com ela e abriu as pernas e começou a fazer xixi. Vendo aquilo percebi que minha filha apesar do jeito tímido e aparência inocente na verdade era uma tarada disposta a experimentar todo tipo de fetiches sexuais. Então segurei meu pinto e mirei no meio das pernas dela e comecei a fazer xixi, mas enquanto fazia comecei a fazer nas coxas e também na barriga dela, Júlia passava as mãos nas coxas e barriga espalhando o xixi pelo corpo e ficando toda molhadinha.

Quando terminamos de fazer xixi Júlia se levantou entrou no box e ligou o chuveiro e começou a tomar banho, como eu ainda estava um pouco sujo por causa do sangue e porra da nossa transa também entrei no chuveiro junto com minha filha. Fiquei de costas para Júlia que encostou o corpo dela no meu e começou a esfregar seus seios molhados nas minhas costas, e dizendo que eu era o homem dos sonhos dela pegou no meu pinto e começou a masturbar enquanto lavava ele, em pouco tempo já estava duro, me virei de frente para minha filha e comecei a ensaboar o corpo dela passando as mãos principalmente nos seios dela. Enquanto Júlia se enxaguava sai do chuveiro e fui para a cama e fiquei esperando minha filha para voltar para transar do jeito que tanto desejávamos.

Júlia saiu do banheiro se enxugando e me olhava enquanto eu me masturbava, quando terminou jogou a toalha no chão e subiu na cama ficando de quatro ao meu lado. Olhando nos meus olhos ela pegou em meu pênis e começou a me masturbar lentamente, sua mão macia e dedos magrinhos deslizavam por toda extensão do meu pênis que ela mal conseguia segurar devido a grossura dele. Júlia então se enclinou e deu uma leve chupadinha na cabeça do meu

pau e desceu por toda a extensão dele fazendo o mesmo, ela então segurou firme bem na base do meu pau e colocou ele na boca até o máximo que conseguia e ficou por um tempo assim enquanto eu sentia a língua dela passar freio da glande. Eu estava ficando muito excitado com aquele boquete maravilhoso que aos poucos minha filha fazia com mais vontade dando longas chapadas e lambidas na cabeça e por toda a extensão do meu pau enquanto acariciava meu saco.

Julia se levantou e segurando meu pau passou a perna sobre meu corpo e foi descendo no meu pau até ele entrar totalmente na bucetinha apertada dela. Com as mãos apoiadas nas coxas grossas ela começou a cavalgar no meu pau subindo e descendo lentamente, eu estava muito excitado,meu pau preenchia totalmente a buceta molhadinha da minha filha Julia. Ficamos assim por um longo tempo ,até que aos pouco Julia foi alimentando o ritmo da cavalgada enquanto apertava os seios e gemia de tesão. Julia fazia movimentos de vai e vem com a pelvis e cintura num ritmo cada vez maior e dizia que queria gozar muito com meu pau na bucetinha dela, nesse momento ergui meu corpo ficando numa posição quase sentado e comecei a chupar os seios da minha filha Julia. Seus seios eram suculentos e durinhos com auréolas rosadas e bicos durinhos.

Me ergui mais um pouco ficando sentado com Julia encaixada nas minhas pernas,segurei o corpo dela colado ao meu corpo e começamos a fazer rápidos movimentos de vai e vem enquanto apertada a bunda dela com uma mão e com a outra segurava a cabeça dela e dava chupões no seu pescoço. Julia gemia cada vez mais e me chamando de papai falava que estava gozando e arqueava o corpo dela para trás fazendo meu pau ejacular bem fundo na buceta dela, Enquanto ainda sentiamos nosso orgasmo pelo corpo me joguei na cama com minha filha ainda agarrada ao meu corpo e deitamos de lado abraçado e ficamos nos beijando até pegarmos no sono .

Na manhã seguinte acordei e não vi Julia na cama,então me levantei e tomei uma ducha rápida, desci para a cozinha e Julia estava fazendo o café da manhã. Ela estava com uma calcinha de algodão dessas que ficam apertadinhas realçando as curvas do bumbum e uma camiseta regata minha que por ser grande e larga deixava os seios dela aparecendo pelas laterais. Cheguei por trás encaixando meu pau na bundinha dela:-)dei um beijo em seu rosto e na sua boca quando ela virou a cabeça, meu pau já estava ficando duro, mas enquanto minha filha passava geléia numas torradas tentei pegar uma e ela disse que era pra esperar o café que não tava pronto.

Então desencostando do corpo dela abaixei minha bermuda e falei que o café não tava pronto mas que tinha outra coisa pronta então abaixei a calcinha dela e segurando na bundinha dela fui penetrando meu pau na buceta dela que sem reação deixou as torradas no balcão e apoiou as mãos empinando a bunda para trás. Julia então falou ai não e tirou meu pau da buceta dela e com o dedo passou geléia no buraquinho do cu e segurando meu pau foi enfiando vagarosamente no cuzinho doce dela. Comecei a bombar forte chamando ela de putinha do papai e ela gemia falando que adorava quando pegava ela de jeito. Julia ergueu o corpo e levou minhas mãos até os seios dela que fiquei apalpando forte enquando ela rebolava a bunda no meu pau, aumentei o ritmo das estocadas e antes que eu gozasse minha filha tirou meu pau da bunda dela e ficando agaxada em minha frente passou geléia no meu pau e começou a chupar

com muita força até que eu não aguentei e gozei na boca dela e ela sugava meu pau tomando toda minha porra. E assim foi o começo de nosso relacionamento amoroso.