Olá pessoal espero que estejam gostando do tema desses últimos contos eróticos publicados. Neste vou relatar outra história de experiência com travesti vivida pelo mesmo amigo do conto anterior, essa foi sua primeira experiência dele e como visto não seria a única.

Era início do ano letivo na faculdade de TI e também meu primeiro semestre,, por isso não conhecia ninguém, mas com o passar dos dias e semanas fui fazendo algumas boas amizades. Mas foi no início do segundo semestre que conheci a Alandra uma garota muito simpática e divertida, de riso fácil e também um belo sorriso que completava sua beleza. Com poucos dias nos tornamos ótimos amigos, éramos de cidades pequenas do interior de São Paulo  e ainda estávamos perdidos naquela cidade bem maior mesmo sendo também no interior do estado.

Começamos a ficar mais próximos com o passar dos meses, fazíamos trabalhos e estudávamos juntos e algumas vezes também saiamos juntos para nos divertir já que tínhamos o mesmo gosto para descontrair, sempre íamos para cinema e barzinhos mais calmos e aconchegantes. E nessas saídas comecei a ficar mais atraído por Alandra, que era uma bela morena dessas que parece estar sempre bronzeada, de cabelos cor chocolate com luzes comprido até um pouco abaixo dos ombros.

O primeiro período de provas daquele semestre havia terminado e decidimos sair para relaxar e fomos para um desses barzinhos que gostávamos, sentamos numa mesa e enquanto bebíamos cheguei mais perto dela e comecei a acariciar seu cabelo, de imediato ela sorriu e eu então beijei seus carnudos lábios, prontamente ela correspondeu e ficamos nos beijando por algum tempo. Durante toda a noite ficamos trocando carícias, mas quando sugeri que fossemos para meu apartamento ela ficou estranha e disse que no dia seguinte viajaria cedo para visitar os pais. Acabei aceitando a desculpa dela e a levei para a casa dela..

Os dias se passaram e eu continuava investindo nela, durante intervalos de aula nos encontrávamos e eu não perdia tempo em beija-la, mas notava que ela ficava incomodada quando tentava ser mais atrevido e acariciar o corpo dela, principalmente perto da sua área genital. Fiquei imaginando se ela tinha algum problema, talvez trauma causado por abuso na infância. Mas o fim do semestre se aproximava e também as provas finais e nós dois como sempre caímos nos estudos juntos. Num desses finais de semana que passamos estudando em meu apartamento resolvi novamente tentar investir nela.

Eu estava sentado numa cadeira com o notebook finalizando uma apresentação  e ela se aproximou do meu lado oferecendo um drink que havia feito. Alandra colocou o copo na mesa e ficou encostada na mesma, eu então girei a cadeira ficando de frente para ela, dei um gole no drink e coloquei as mãos em sua cintura, ela deu também um gole no drink e nesse momento ergui a blusinha azul de alcinha que ela usava e comecei a beijar a barriga dela, ela tinha uma barriga lisinha que eu achava linda. Enquanto eu continuava beijando ela acariciava meus cabelos e eu notava sua respiração já diferente, então decidi ser mais abusado e subi minhas mãos até os seios dela que eram grandes e bem redondos devido o silicone colocado.

Alandra parecia estar gostando e decidi arriscar mais e desci minhas mãos passando pela cintura dela, apalpei sua bunda que também era grande e redonda e passei pela lateral das coxas até que cheguei na sua área genital e tentei abrir o zíper de sua calça jeans. Nesse momento Alandra novamente se mostrou nervosa e desconfortável, então perguntei se ela tinha algum problema, algum trauma e ela disse que não queria mais intimidade pois namorava, disse que ela gostava e permitia a troca de carícias e beijos mas que era só, novamente aceitei a desculpa mas disse que estava muito atraído por ela e queria ficar com ela e até mesmo namorar ela, mas Alandra disse que não dava e pegou a chave de seu carro e saiu sem nem se despedir.

Em meio a correria das provas de final de semestre quase não nos encontrávamos e quando isso acontecia era rápido, mas o clima entre a gente havia esfriado um pouco. Numa noite de sexta depois de uma última prova estava na lanchonete da faculdade e Alandra chegou do meu lado e perguntou se podia sentar, eu falei que sim e ela com seu lindo sorriso se sentou e disse que finalmente tinha acabado as provas. Eu cheguei mais perto e coloquei a mão na perna dela e disse que estava com saudades, ela então disse que também estava e acabamos nos beijando, enquanto eu continuava alisando sua barriga. Quando paramos de nos beijar sugeri que saíssemos para comemorar o fim das provas e tirar o stress daquele período, fui mais além e sugeri um programa mais íntimo, seria minha última tentativa. Alandra ficou pensativa por um momento mexendo com um canudo o suco que tomava, e finalmente quebrou o silêncio falando que tudo bem, se eu realmente queria sair com ela tudo bem.

No dia seguinte à noite passei na casa de Alandra para pegar ela, quando a vi fiquei maravilhado, ela estava com um vestido vermelho bem decotada realçando seus seios e também suas pernas. Quando ela entrou no carro começamos a nos beijar loucamente até ela interromper e perguntar se seria ali mesmo no carro, dei uma risada e disse que não, e perguntei se ela queria ir comer algo ou numa balada antes, mas Alandra disse que queria ficar só comigo naquela noite. Depois disso saímos em direção ao motel que já havia reservado uma suíte, no caminho Alandra acariciava meus cabelos e dávamos muita risada juntos. Finalmente chegamos ao motel, estacionei o carro na vaga e quando entramos ela disse que era lindo e perfeito, não era das suítes mais luxuosas, mas tinha tudo de bom, cama grande redonda, banheira, muito espelhos, alguns petiscos e champanhe.

Alandra então me puxou pela camisa e começou a me beijar, ficamos nos acariciando, eu apalpava a bunda dela e ela meu pinto ainda por cima da calça jeans, abaixei as alças do vestido dela e tirei seu sutiã vermelho de renda que realçava a cor da pele dela, que apesar de ter aspecto natural de bronzeado, dessa vez estava mesmo bronzeado com direito a marquinha de biquíni. Comecei a chupar os seios dela que eram grandes e bem redondos devido provavelmente a um silicone, enquanto isso ela tentava abrir minha calça, Alandra então se ajoelhou na minha frente e com rapidez abaixou minha calça e cueca que vestia e pegou em meu pinto já quase. Ela deu uma chupadinha na cabeça, depois lambeu do saco até a cabeça para em seguida colocá-lo todo na boca e começar a chupar vigorosamente.

Em pouco tempo estava com o pau duro de uma forma impressionante, ela chupava meu pai inteiro e lambia por toda sua extensão, parecia faminta por um pau. Alandra então se levantou e disse que era pra eu deitar na cama e esperar ela ir rapidinho no banheiro, e enquanto isso terminei de tirar minha roupa e me deitei. Depois de uns minutos ela saiu vestindo um roupão e disse para eu fechar os olhos que faria uma surpresa, fiz isso e depois de um tempo senti ela colocando a camisinha no meu pênis. Em seguida percebi que ela havia subido na cama e ficado ajoelhada ao meu lado, depois ela pegou em meu pinto e passando uma das pernas para o outro lado do meu corpo e foi descendo e penetrando meu pau no cu dela.

Quando senti meu pau entrando todo naquele cu, sem muita dificuldade, fiquei muito excitado, Alandra então falou para eu olhar meu pau enfiado na bundona gostosa, abri os olhos e logo dei uma estocada fazendo ela gemer. Alandra então começou a cavalgar no meu pau, subia e descia com a bunda dela enfiando meu pau todo no rabo dela, dei umas apalpadas na bunda dela que estava com uma linda marquinha de biquíni, ela então pediu para que eu desse uns tapas bem fortes na bunda dela. Eu então abri bem a mão e dei dois tapas seguidos bem fortes em cada lado de sua bunda, fazendo Alandra soltar alguns gritos.

Enquanto Alandra cavalgava no meu pau ela se masturbava sem parar, então num momento estiquei meus braços e tentei alcançar as mãos dela no intuito de também masturbar a buceta dela, mas Alandra pegou minhas mãos e colocou nos seios dela. Eu continuava dando estocadas e Alandra gemia cavalgando com meu pau no cu dela, mas perguntei se ela tinha algum problema que não deixava eu masturbar a buceta dela e nunca tocar nessa região. Alandra então falou que tinha um problema sim, e sem tirar meu pau de seu cu, girou o corpo ficando de frente para mim, foi quando vi um pinto duro apontado para mim, quando vi aquilo perguntei que merda era aquela e sem pensar empurrei ela de cima de mim.

Alandra caiu deitada na cama e disse que era transsexual ou popularmente chamado de travesti, eu fiquei furioso e comecei a xingar de muitos palavrões e dei uns tapas na cara dela e empurrei de cima da cama. Alandra caiu no chão e disse que por isso nunca queria se envolver mais seriamente comigo, mesmo desejando sabia que eu não aceitaria aquilo quando descobrisse à verdade. Enquanto ela ia para o banheiro falei que ela tinha me enganado de propósito é que era pra ela sumir da minha vida. Depois da discussão sai da suíte até sem roupa e entrei no carro inconformado com o que estava  acontecendo, fiquei imaginando as vezes que beijava ela e tentava toca-la e ela não deixava, apesar de estar muito zangado percebi que ainda estava e ficava excitado pensando nela.

Voltei para dentro da suíte e pedi para que Alandra saísse do banheiro, ela então disse que só sairia se fosse para ir embora dali, eu falei que tudo bem, e quando ela saiu já vestida com uma mão agarrei sua cintura e com a outra segurei seu rosto e comecei a beija-la. Ela a principio tentou desviar, mas insisti e ela foi novamente se entregando e enquanto beijava ela desci minha mão até a calcinha dela e peguei em seu pau e comecei a masturba-lo. Alandra então tirou novamente o vestido e falou para eu chupar o pau dela, nesse momento me ajoelhei tirei sua calcinha e segurando o pau dela ainda meia bomba comecei a chupar, totalmente sem jeito pois nunca havia chupado um pinto, mas aos poucos já estava enfiando ele todo na boca, era bem grosso e preto com cabeça que brilhava.

Fiquei chupando por um bom tempo e confesso que estava gostando, pois meu pau latejava de tão duro que estava e enquanto isso Alandra gemia e dizia que estava uma delícia. Depois de uns minutos me levantei e empurrei Alandra para deitar na cama de bruços, tirei os sapatos de salto dela e enquanto ela passava um pouco de gel no cuzinho dela peguei seus pés e comecei a esfregar em meu pau me masturbando com eles. Meu pau estava muito duro quando decidi penetrar no rabo dela, me debrucei sobre Alandra e segurando meu pau fui enfiando no cuzinho dela, quando terminou de entrar tudo comecei a bombar forte enquanto Alandra pedia para fuder o cu dela. Aquilo me deixava ainda mais excitado e forçava mais a penetração, Alandra gemia e dizia que gostava bem forte, meu tesão era tanto que acabei gozando no cu dela.

Tirei meu pau de dentro do cu dela e deitei do seu lado, Alandra então tirou a camisinha e me chupou mais um pouco limpando minha porra e colocou outra pois meu pau continuava duro. Ela então subiu em cima de mim e foi descendo aquele bundão até meu pau entrar todo no cu dela, Alandra ficou agachada e subia e descia no meu pau rapidamente enquanto eu olhava o pau dela duro balançando na minha frente. Alandra então sentou enfiando meu pau fundo no cu dela e com os joelhos apoiados na cama e fazia movimentos de vai e vem, enquanto gemia e falava que meu pau era muito duro. Ficamos assim por muito tempo enquanto eu passava a mão pelo corpo dela e ela me beijava.

Eu então peguei no pau dela e comecei a masturbei, Alandra começou a gemer mais e apertava seus lindos seios, volumosos e redondos com uma linda marquinha de biquíni. Comecei a masturbar mais rápido o pau dela e falei que queria ver ela gosar em cima de mim, e acelerei a punheta no pau dela, Alandra então deu um gemido mais forte e começou a gosar em minha barriga, e depois começou a cavalgar mais rápido no meu pau e dizia que tava com muito tesão e ia ter um orgasmo pelo cu, Alandra gritava alto e de repente saiu de cima de mim e tirou minha camisinha e pediu para gozar na cara dela e começou a me punhetar rápido e forte, até que não aguentei mais e gozei enchendo o rosto dela de porra.

Depois deitamos na cama e ficamos nos beijando enquanto eu passava a mão pelo corpo dela até que recuperasse meu fôlego, disposição e ereção. Trepamos mais uma vez aquela noite e no fim acabamos tendo um relacionamento por alguns meses até que ela encontrou alguém que ela realmente se apaixonou. Mas essa não seria a única nem a última experiência com travesti que eu teria na vida.